Header Ads

Header ADS

OLÍMPICO vs LOURES

     
     OLÍMPICO MONTIJO - 2                   LOURES - 1

         Superioridade do Olímpico, premiada com o golo da vitória ao cair do pano...

                        Excelente partida em prespectiva  o que opunha o Olímpico  ao Loures. Ambos os conjuntos apresentavam novos treinadores, se bem que os Montijenses, na última partida a contar para a Taça de Portugal já tenham contado com Paulo Jorge Bento no banco. Pelo contrário a formação de Loures só nesta partida apresentava o seu novo homem do leme (Sérgio Gaminha, rendeu Sérgio Bóris), que substituiu o anterior, face aos resultados menos conseguidos pela formação de Lisboa.

                                Como se esperava foi a equipa da casa a tomar conta do jogo.Com um meio campo muito activo, com destaque para José Miranda, a baliza de Marco Pinto, era frequentemente "assaltada". Valendo na circunstância o bom desempenho do sector recuado do Loures, para que as sua redes não fossem violadas.
                                Jogando muito fechada e esperando pelo erro do adversário, a equipa de Sérgio Gaminha levava a água ao seu moinho, fruto da experiência da maioria dos seus jogadores. E, é contra a corrente de jogo, que Hélio Vaz (13') vai chegar ao golo. Nada tinha feito a equipa forasteira, para justificar estar em vantagem, mas o futebol é assim. A resposta do Olímpico não se fez esperar, continuando a apresentar um futebol, como nunca tinha assistido em partidas anteriores. Depois de José Miranda (16') ter falhado de forma incrivel o golo da igualdade, ele surge através de Rubén Ribeiro (32'), excelente cruzamento de Hélio Roque para o seu companheiro, que mais não fez que perante o desamparado Marco Pinto, igualar a partida. O golo era mais que justo, e chegou já um pouco tarde, tal o domínio do Olímpico, na resposta ao golo sofrido.

Até ao fim dos primeiros quarenta e cinco minutos, Helio Roque (44' e 45'), tem mais duas grandes oportunidades de levar a sua equipa, para as cabines em vantagem, mas ambas goraram-se.
                                 

 José  Miranda a carimbar a vitória em cima do apito final...

                        Segundo tempo não foi diferente do primeiro, com excepção de uma transição rápida de Hugo Machado (55'), aproveitando uma perda de bola da equipa da casa, quando esta se encontrava toda balanceada no ataque. Amadu Turé teve tudo para o segundo golo do Loures, no entanto rematou ás malhas laterais. A partir deste lance, não mais a equipa visitante criou perigo de maior a Diogo Arreigota. Por seu turno era o Olímpico a pressionar o sector defensivo do Loures, com Marco Pinto a brilhar, 72' livre frontal apontado por Hélio Roque, para defesa segura do guardião lisboeta. A defesa da tarde dá-se á passagenm do minuto 81', grande jogada de Hélio Roque, obrigando a espantosa defesa do guarda-redes adversário, quando todos os espectadores esperavam festejar o golo.

                                 A partida aproximava-se do seu termo, a equipa da casa dominava, mas... não marcava. O descrédito tomava conta da maioria dos espectadores. Da maioria não, o "Orgulho Aldeano" (claque do Olímpico), acreditava e icentivava os seus jogadores. E, já no dealbar do encontro, surge o "menino" José Miranda (aos 90'+1') (também ele a acreditar), no meio de uma "floresta" de jogadores a empurrar o esférico para a baliza do Loures, carimbando a primeira vitória da sua equipa no campeonato.

                                 Justíssimos, estes primeiros três pontos conquistados (com muito querer, vontade, e qualidade de jogo - onde andavam estes jogadores,  noutras "eras" - e mais importante, no acreditar até ao fim), no campeonato.

                                  Na próxima jornada, mais um "osso duro de roer", deslocação a Marvila, para defrontar um candidato "crónico", Oriental. A vitória é possivel no Engº Carlos Salema??? Porque não!!!! Assim os jogadores tenham a mesma atitude, mostrada na partida frente ao Loures.

                                   Para o fim fica o mais complicado. A arbitragem. Sr. Pedro Ramalho, se não têm jeito para "a coisa", dedique-se á culinária Alentejana (já que o Sr. é de Évora). Muito mau para os dois lados, só vêm provar que é incompetente.Este árbitro já nos foi dado a observar em vários jogos, e... melhoramentos, é como diz o outro "bola"!!!!




Com tecnologia do Blogger.